Agenda

  • Reuniões internas

    Veja a agenda de reuniões internas do Demodê. ...

    Leia Mais...

O Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades - Demodê - reúne pesquisadoras(es) e estudantes da Universidade de Brasília e de outras instituições, que se dedicam a investigar as implicações da convivência entre, por um lado, regras democráticas de gestão da organização política e, por outro, profundas desigualdades sociais. As atividades do Grupo contemplam a reflexão teórica e a pesquisa empírica.

Criado em 2001, o Demodê é hoje coordenado por Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli. Seu trabalho se organiza em quatro linhas de pesquisa principais:

Democracia e gênero.
Democracia e capitalismo.
Democracia e controle da informação.
Democracia e desigualdade racial.
Democracia e ativismo político.

As análises desenvolvidas no âmbito do Grupo partem da constatação de que democracia é hoje o horizonte normativo indiscutível de qualquer forma de organização política, mas tamanho consenso esconde uma profunda divergência quanto ao sentido da democracia. Diferentes grupos empenhados em ostentar o rótulo promovem sua ressemantização, adequando seu significado aos interesses que defendem. Por outro lado, convivemos com uma contradição patente entre seu sentido normativo mais corrente (o “governo do povo”) e as manifestações empíricas geralmente aceitas (os regimes eleitorais). O fato é que toda a idéia de democracia é, hoje, controversa; e essa situação não deve ser vista como passageira ou contingente. É um efeito de seu valor nas disputas políticas contemporâneas.

Uma parte significativa das dificuldades com o conceito de democracia advém do fato de que tentamos conciliar uma sociedade desigual com um ideal político que se funda na igualdade. A experiência grega, que nos legou a palavra e, em boa medida, também o imaginário associado à democracia, excluía os “diferentes” da esfera pública. Os regimes contemporâneos, pelo contrário, são formalmente inclusivos. Décadas de lutas por direitos políticos retiraram as barreiras legais que impediam o acesso de trabalhadoras(es), mulheres, minorias raciais e outros grupos em posição subalterna aos espaços de poder. A inclusão - que corresponde ao aspecto mais valioso da ordem política liberal - gera desafios para a prática da democracia e também para sua teoria.

Esse conjunto de questões baliza as pesquisas do Demodê, tanto na discussão teórica quanto em abordagens de caráter mais empírico.

Topo